[DIVULGAÇÃO] Série Especial Turismo na Coreia

Turismo4_Hallyeosudo

Ilha de Jeju

Jejudo (‘do’ em coreano significa ilha) é a maior ilha da Coreia (aprox. 73km de leste a oeste, 31km de norte a sul), e fica localizada no Estreito da Coreia, a sudoeste da terra firme. Essa ilha, de formato oval, conserva um rico patrimônio cultural que é distintivamente diferente da cultura da terra firme. É também a única província da Coreia onde as tangerinas são cultivadas em condições naturais, proporcionando uma grande fonte de renda para muitas famílias desde a década de 1960. Era um destino de lua de mel extremamente popular entre os coreanos do continente, durante as décadas de 1970 e 1980, e desde então, tem se tornado uma das principais atrações turísticas da Coreia, atraindo centenas de milhares de turistas de países vizinhos, incluindo o Japão e a China. Em 2006, o governo coreano nomeou a ilha como a Província Especial Autônoma de Jeju, em um esforço para transformá-la em uma zona de comércio livre. Atualmente, é um local muito popular para encontros importantes, incluindo reuniões de cúpula. Jejudo foi formada por uma série de erupções vulcânicas e é rica de traços característicos da topografia vulcânica, incluindo 368 oreum (cones parasíticos) e cerca de 160 tubos de lava. Esse singular patrimônio natural levou à inclusão da ilha na Rede Mundial de Reservas da Biosferada UNESCO em 2012, no Patrimônio Mundial da UNESCO em 2007 e na Rede Global de Geoparques em 2010. O reconhecimento mundial de Jejudo como patrimônio natural mundial, deverá continuar a promover o valor da ilha como destino turístico e como um dos principais ativos ambientais da Coreia. A montanha Hallasan, um vulcão adormecido, se eleva desde o centro de Jejudo até uma altura de 1.950 metros, tornando-a a mais alta montanha da Coreia do Sul. A montanha é lar de mais de 1.800 espécies de plantas alpinas, que selecionam seus habitats de acordo com a altitude, e exibe grande diversidade de vegetação. A montanha consiste principalmente de basalto e tem uma inclinação acentuada no sul e mais suave ao norte. Há um lago da cratera, Baengnokdam, na parte superior, com mais de 50 cones parasíticos espalhados ao seu redor. O Cone de Cinzas Seongsan Ilchulbong, situado na extremidade oriental de Jejudo, é provavelmente a mais famosa atração turística da ilha. Dizem que este pico vulcânico de 182 metros de altura se assemelha a um enorme anfiteatro, com um centro profundo em formato de tigela, repleto de juncos e rodeado por penhascos rochosos. Muitos visitantes também comparam esse local popular de celebração do nascer do sol, que é agora chamado de Monumento Natural, a um castelo inexpugnável, profundamente fortificado, ou a uma tiara alta que forma um círculo completo. Outras atrações principais que refletem as maravilhas naturais de Jeju incluem a caverna Yongcheon, localizada em Woljeongri de Gujwa-eup, que apresenta uma combinação única de traços característicos de cavernas de calcário e tubos de lava, as cavernas de calcário em Hyeopjae e Pyoseon, e as florestas de Gotjawal, que se formaram nas áreas rochosas, erguidas durante uma erupção vulcânica. Essas florestas oferecem habitats naturais para plantas raras, algumas das quais são adequadas para climas frios, enquanto outras são mais típicas de áreas tropicais ou subtropicais. Essas florestas intocadas e densamente arborizadas são frequentemente chamadas de “os pulmões de Jeju”. O complexo turístico de Jungmun localizado no litoral sul em Seogwipo, reúne muitos lugares e instalações fascinantes para uma série de atividades ao ar livre, incluindo nadar e tomar sol, golfe, equitação, caça, hotéis de nível internacional e encantadoras atrações naturais, como as cataratas de três camadas de Cheonjeyeon e as colunas basálticas costeiras. Uma nova atração foi adicionada recentemente à já longa lista, quando um dos maiores aquários da Ásia, o Aqua Planet, foi inaugurado em julho de 2012 na Praia de Seopjikoji em Seongsan-eup.

Uma das principais atrações da ilha, a Trilha de Jeju Olle, recentemente criada, é composta por um conjunto de trilhas ao longo da costa, que leva os caminhantes a lugares com vistas fascinantes de Jeju, antigas aldeias e campos fechados ou separados por muros de pedra de basalto, mares costeiros onde mulheres idosas mergulham (Haenyeo, “mulheres do mar”) para colher frutos do mar, e campos de grama alta, com ondas de vento rolando pelos campos (Jeju é chamado de Samdado, literalmente, a “ilha das três abundâncias”, ou seja, as pedras, as mulheres e o vento). A abundância de pedras é devida à atividade vulcânica. Casas e campos são cercados com muros de pedra para evitar que voem com o vento. A abundância de mulheres significa que o envolvimento econômico das mulheres, como as haenyeo, ou mulheres mergulhadoras, é proeminente na área. Jejudo é famosa por seus produtos agrícolas e marinhos muito especiais, dos quais o “cacto espinhoso de palma” (Opuntia ficusindica), também conhecido como Baengnyeoncho (planta centenária), recentemente foi uma surpresa para muitos cientistas do mundo, por seus extraordinários efeitos benéficos à saúde humana. Para alguns turistas coreanos, Jeju é significativa, pois tem jurisdição sobre a parte extremo sul do território coreano, uma pequena ilha chamada Marado, localizada a cerca de 10km da sua costa sudoeste, e Ieodo, localizada a 149km a sudoeste de Marado, que é a localização da Estação de Pesquisa do Oceano de Ieodo.

Ulleungdo e Dokdo

Turismo4_Ullungdo+Dokdo

 Localizada aproximadamente a 130km ao leste da Península da Coreia, Ulleungdo é uma ilha vulcânica de cerca de 72km2. Ela é ladeada por íngremes penhascos rochosos. Devido ao Mar do Leste ter um assoalho oceânico profundo, a água é muito profunda ao redor da costa de Ulleungdo. No centro da ilha localiza-se uma terra plana chamada bacia Nari. Ela está historicamente relacionada a um grupo de ilhotas rochosas chamado Dokdo, situado a 87,4 km ao seu sudeste, formando assim a parte mais oriental do território coreano. Atualmente vigiado pela guarda costeira de Dokdo, ele é composto por duas grandes ilhotas rochosas e oitenta e nove pequenas rochas, e é o lar de cerca de setenta espécies de plantas, embora a maioria das ilhotas sejam áridas. Apesar da forte brisa do mar e o solo não ser suficiente, cerca de 70 tipos diferentes de plantas estão enraizadas entre as rochas. Até pinheiros e camélias foram plantados há vários anos. Foi designada como a Área de Reprodução de Aves Marinhas em Dokdo e Monumento Natural no. 336 em 1982 e depois como Área de Proteção de Dokdo em 1999.

Hallyeosudo (Parque Nacional Marinho Hallyeohaesang)

Os 120km de mares costeiros, desde Yeosu em Jeollanam-do até Hansando em Gyeongsangnam-do, receberam seu nome usando as primeiras sílabas de Hansando e Yeosu. A área há muito tempo tem sido elogiada por suas deslumbrantes paisagens marinhas, caracterizadas por mares azuis cintilantes, ilhas de todos os tamanhos, penhascos rochosos com formas fantásticas, e incríveis zonas costeiras. A área também é conhecida por ser o habitat de diversas espécies marinhas e se tornou o primeiro Parque Nacional Marinho da Coreia em 1968. Yeosu, uma das principais cidades industriais da Coreia e anfitriã da World Expo 2012, contém algumas das mais famosas atrações turísticas no Parque Nacional Marinho, como Odongdo, uma pequena ilhota coberta com arbustos de camélias e belas praias. É também um local histórico relacionado às vitórias da marinha de Joseon, sob a liderança do Almirante Yi Sun-sin, contra as forças japonesas que invadiram a Coreia em 1592. Com uma área marítima de 76% de sua área total, Hallyeosudo é uma das melhores atrações da natureza da Coreia, com paisagens deslumbrantes do relevo composto por oceano, ilha e terra. Uma nova atração foi adicionada em fevereiro de 2013 com a inauguração da Ponte de Yi Sun-sin, a quarta maior ponte do mundo, conectando duas das maiores cidades industriais da região, Yeosu e Gwangyang.

Ilha Namiseom

Turismo4_Namiseom

A ilha Namiseom – situada a 3,8 km ao sul de Gapyeong-gun, Gyeonggi-do, no meio de um grande lago artificial criado por Cheongpyeong Dam, construído em 1943 – tornou-se uma atração turística muito popular entre os fãs da Hallyu (“Onda Coreana”) por toda a Ásia, graças ao enorme sucesso da série de TV “Winter Sonata”, que teve algumas cenas filmadas no local. A ilha é densa, com árvores que incluem o pinheiro coreano, a metasequoia, o vidoeiro branco e o gingko, criando uma série de românticas trilhas naturais. Além de caminhar, a ilha oferece, aos visitantes, locais e instalações para várias atividades internas e ao ar livre, incluindo pistas de ciclismo, galerias de arte, museus, oficinas de artesanato, bangalôs e locais para acampamento.

A Zona Desmilitarizada Coreana

O fim da guerra da Coreia, em 1953, após a assinatura do Acordo de Armistício coreano, levou à criação da Linha de Demarcação Militar (MDL) e à Zona Desmilitarizada Coreana (DMZ), que é de 250km de comprimento e cerca de 4 km de largura, ou seja, a 2 km do lado Sul e outros 2 km do lado Norte. Na parte ocidental da DMZ há uma aldeia agrícola chamada Daeseongdong, mais conhecida como “Vila da Liberdade” entre os sul-coreanos. A parte ocidental da DMZ também abrange o Panmunjeom, onde foi assinado o Acordo de Armistício coreano de 1953. Agora ela é conhecida como a Área de Segurança Comum (JSA), onde somente aqueles que possuem uma autorização emitida pela Comissão Militar de Armistício (MAC) têm permissão para visitar.

A proibição do acesso público à DMZ nos últimos 60 anos tem ajudado a manter o ambiente em perfeito estado, uma qualidade que nos últimos tempos tem atraído o interesse de cientistas e conservacionistas do mundo todo.

Redação: Brazil.Korean-Culture
Edição: Beatriz Hecht
*Não retire nosso conteúdo sem os devidos créditos*

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *